quinta-feira, 16 de agosto de 2012

Por que as TVs na loja parecem ser tão boas?

O leitor Fernando nos enviou um email perguntando porque os aparelhos de TV nas lojas parecem ser tão excelentes quando estão reproduzindo um Blu-Ray.

As imagens nas televisões das lojas parecem ser muito mais nítidas e fluidas, a qualidade é incrível! Mas raramente essa fluidez é alcançada nas TVs da sua casa. Por quê?

Isso acontece devido a vários fatores, e o fator que mais influencia na fluidez do movimento é a taxa de atualização da imagem que o aparelho pode reproduzir.

O que é essa taxa de atualização? É a frequência com que a tela renovará a imagem. Se acontece algum movimento, é ideal que o usuário veja o que aconteceu imediatamente, sem atrasos. Se alguma coisa muda de posição, é interessante que essa mudança seja percebida rapidamente.

Quanto maior é essa frequência, mais rápido a tela renovará as imagens e o movimento será mostrado com muito mais fluidez, sem o "motion blur", ou seja, sem aquele rastro que existe quando algo está se movimentando.

Exemplo de motion blur: quando você está num carro e tira uma foto de algo do lado de fora.
A tela precisa renovar as imagens rapidamente porque quando algo se movimenta, isso deve ser mostrado para o usuário. E é justamente essa característica da taxa de atualização que permite que a tela detecte os movimentos e reproduza-os para o usuário da forma mais fluida, nítida e precisa possível.

Uma tela boa e comum atualiza as imagens a uma frequência de 60Hz. Isso ocorre para aqueles monitores bem comuns mesmo. A maioria dos monitores de computador atualiza a 75Hz.

Ultimamente, TVs simples, mas boas, possuem uma taxa de atualização de 120Hz. É um número muito bom. As imagens atualizam muito rápido e quase não existe motion blur.


Ainda assim, o ideal para o movimento ser fluido e ser mostrado com uma nitidez excelente é que a tela possua uma taxa de atualização de 240Hz. 

Como as imagens se atualizam muito rapidamente, o olho humano nem consegue perceber isso e o movimento é único. Não aparecem várias imagens de uma vez ao longo do caminho do movimento, ou seja, não há rastros.

Existem TVs com taxas de atualização bem superiores a essa, mas televisores com 240Hz já reproduzem o movimento de forma bem fluida.

Um outro fator que pode influenciar é o tempo de resposta da TV. Esse é o tempo que leva para a TV detectar o que está acontecendo e mostrar para o usuário. Mesmo que esse tempo demore pouquíssimos milissegundos, uma diferença de 1 ou 2 pode ser muito grande. Prefira aparelhos com um tempo de resposta igual ou inferior a 4 milissegundos.

O que pode influenciar também: a câmera utilizada para gravar o filme. Se ela possui uma boa tecnologia de estabilização de vídeo e filma a 60fps, é certo que a imagem será bem mais nítida e o movimento será representado com muito mais precisão.

Além disso, a TV em lojas muitas vezes é calibrada por especialistas, que configuram brilho, contraste, saturação, cor e algumas outras configurações de acordo com a iluminação do ambiente, distância de visualização e vários outros fatores. 

Isso não influencia diretamente na reprodução do movimento, mas certamente influencia na qualidade da imagem como um todo.

A qualidade do leitor Blu-Ray também é um fator importantíssimo. Se o leitor for bom, a mídia será lida sem erros nem engasgos e a qualidade ficará fenomenal. Esse não é um fator preocupante, visto que a maior parte dos leitores de Blu-Ray são bons e o próprio PS3 lê Blu-Rays com maestria.

Como falei acima, a quantidade de frames por segundo que a câmera que gravou o filme consegue alcançar também influencia muito. Se a câmera grava a 30fps, a imagem será boa mas poderá apresentar muito blur. Uma imagem a 60fps apresenta muito menos blur e muito mais nitidez. E claro, quanto mais fps, mais se pode aproveitar o efeito "câmera lenta", mas isso não é o assunto desse post.


A maioria das câmeras profissionais com as quais os filmes são gravados gravam a pelo menos 60fps.

O formato dos vídeos numa mídia Blu-Ray é mkv. É um ótimo formato de vídeo, não é comprimido. Portanto, a imagem não apresenta falhas.

Um vídeo em Full HD baixado do iTunes, por exemplo, possui uma qualidade excelente, mas é codificado em H.264 e é um formato mp4, ou seja, o vídeo é comprimido. Com isso, a qualidade do vídeo é inferior à qualidade de uma mídia Blu-Ray. 

Mas as diferenças são mais visíveis em partes mais escuras. De qualquer forma, é possível visualizar essas diferenças se a televisão for boa. Portanto, isso também é um fator a se considerar, já que essa compressão pode influenciar no blur de certa forma.

Esses são os fatores principais que influenciam na qualidade de reprodução do movimento de um televisor. Reproduzir movimento não é uma coisa fácil. Comece a observar o blur que existe em seus equipamentos, é fácilmente perceptível. Os filmes nas lojas não tremem, a imagem não tem o blur. Nós tendemos a achar que o motion blur deixa as coisas mais lentas, mas a inexistência dele não é natural.

Movimente sua mão no ar rapidamente. Perceba que o rastro da movimentação é visível. Quando observamos uma imagem sem rastros na movimentação, não achamos normal. Parece que as coisas acontecem mais rápido, mas na verdade a imagem é atualizada com muito mais frequência.

É até estranho assistir a um filme sem motion blur. Parece que o tempo está acelerado. Por um lado é bom porque não há rastros na imagem e o movimento é reproduzido com nitidez e precisão absurdas. Por outro lado achamos estranho, porque rastros existem na vida real.

Mas é muito melhor assistir a um conteúdo em uma TV que possui uma alta taxa de atualização. As coisas acontecem com mais fluidez e a qualidade do vídeo é melhor. Os rastros atrapalham, as coisas parecem mais lentas, menos nítidas.

Com o tempo, o usuário acostuma. A qualidade da imagem quando a taxa de atualização é alta é bem melhor e o movimento é muito mais fluido. 

Quando comprar uma TV, verifique esse fator, a partir de agora ele é importantíssimo no momento da compra, principalmente com o 3D chegando às TVs, que precisa de uma taxa de atualização muito alta para acontecer sem problemas.

Vale lembrar que o motion blur não é uma coisa ruim. Principalmente em fotografias, é possível alcançar resultados bem interessantes. Mas em televisores, o melhor é assistir a um movimento nítido e preciso.

Qualquer dúvida lembre-se: contate o Tecnologite!

Fontes das imagens: aqui, aqui e aqui. As imagens pertencem aos respectivos donos e não foram utilizadas para fins publicitários. Esse post não possui fins publicitários.

2 comentários:

  1. Realmente muito grato e honrado pela resposta tão rápida, e pela qualidade e funcionalidade do tópico.
    Espero que ele ilumine a vida de mais pessoas e também espero em breve poder comprar um ótimo novo kit de TV e Blu-ray, pois acho que os meus já estão defasados.

    Grande abraços a todos do Tecnologite!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. De nada! Nós que agradecemos por ter enviado a dúvida.

      Eu recomendaria esperar até 2014 para comprar uma nova TV, porque o 4K vem aí e o Brasil inteiro sempre compra novas TVs na Copa do Mundo. Não que o 4K seja necessário, até porque ele será muito caro, mas recomendo esperar para ver o que o mercado oferecerá até lá.

      O preço das TVs LED 3D pode cair, TVs AMOLED da Samsung podem se popularizar, alguma empresa pode apresentar uma nova tecnologia para as telas, enfim. Eu esperaria até 2014, quando o mercado estará ainda mais intenso.

      Esperamos ter ajudado! Qualquer coisa, pergunte ao Tecnologite!

      Excluir